Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Curtas da Confederações

por TM, em 02.07.13

E de repente Neymar! Eleito o melhor jogador, o que mais me impressionou em Neymar não foi aquilo que já todos conhecemos, velocidade, técnica, imprevisibilidade, criatividade, golo. Mas sim dois lances na final com a Espanha que demonstram algo que cada vez mais decide os jogos para o lado da equipa que tem jogadores onde esta característica é mais notória: inteligência! Um passe para Fred falhar o golo na cara de Casillas, onde esperou o momento certo para aproveitar o apoio de Arbeloa e assim, impedir que o espanhol conseguisse efectuar o corte. Depois, na 2ª parte, o chamado "corta-luz", ao simular e deixar a bola ir para o ponta de lança do Fluminense, no lance que resultou no 3 a 0 para o "escrete". Pelo meio, destacaria ainda a rapidez com que recuperou de posição irregular para ficar em condições de aproveitar a contemporização de Óscar e atirar para o 2 a 0. Estes pormenores do craque brasileiro deixam muito bons indícios para a sua estadia em Barcelona. Porque se esta inteligência for constante, numa equipa com um "environment" tão semelhante e com Messi por perto, tem tudo para explodir na Europa. Porque com as restantes características que tem e já referi, será sem dúvida um caso sério!

O Brasil, vencedor da competição, foi exactamente aquilo que se esperava com Scolari: equipa segura, dois médios capazes de aguentar defensivamente a equipa (um com um pouco mais de liberdade e chegada à frente - Paulinho), defesa forte e com laterais ofensivos, ataque criativo e desequilibrador. Penso ainda assim que é no ataque que este Brasil pode melhorar. Hulk, por muito que ajude no trabalho defensivo, não convence  o público e neste caso, não me convence também a mim. Custa entender o que faz Scolari deixar Lucas Moura no banco, ainda percebendo que Lucas, não tão habituado ao futebol europeu, não tenha ainda as noções tácticas e defensivas necessárias e que Scolari tanto valoriza (já conta com Neymar que não se cansa nesses trabalhos). Fred acabou por conseguir marcar alguns golos e eventualmente ganhar alguma vantagem sobre o ausente por lesão Leandro Damião. No resto, destacar Thiago Silva, pela segurança e qualidade defensiva. Não fez um corte decisivo como David Luiz, nem tem o mesmo jeito emotivo e de jogar com o coração como o ex-Benfica, mas talvez também por isso dá uma segurança bem diferente e comete menos erros por desconcentrações. Na baliza Júlio César disse presente e comprovou poder jogar ao mais alto nível mais uns anos.

A finalista vencida Espanha acabou por desiludir na final, mas nunca chegou a deslumbrar. Del Bosque deixou agudizar a questão do nº9 e juntou-lhe uma outra questão: quem colocar no lugar de Xabi Alonso, de fora lesionado. Eventualmente, pensou bem, colocando mais um elemento ofensivo (foi alternando entre Cesc, Silva, Mata) e assumindo um estilo Barça, com apenas Busquets como pivot. E provavelmente só se apercebeu da necessidade de manter outro elemento mais recuado (Javi Martínez) na final, no único jogo onde não conseguiu ser dominante (já com a Itália teve dificuldades, mas mantendo o 0 a 0 não alterou o plano apesar de Javi Martínez ter entrado) e onde começou a perder logo no 1º minuto de jogo. "Nuestros Hermanos" voltaram a ter em Iniesta o seu melhor elemento e em Casillas um provável 3º problema. Mais a inexplicável tentativa de colocar Sérgio Ramos em patamares que de todo não são para ele: com todos os jogadores de qualidade que a Espanha tem, custa um pouco perceber como é ele o escolhido para marcar uma grande penalidade importante, porque mesmo com 3 a 0, podia estar ali uma réstia de esperança em ir em busca da recuperação.

De resto, uma Itália que parece continuar a evoluir e que acabou por perder Balotelli, uma peça importante, para as Meias-Finais (com ele, como disse o presidente do Milan, era pelo menos mais 1 penalty que marcavam, até agora não falhou nenhum na sua carreira e já marcou mais de 20) e um Uruguai que pareceu pouca equipa para um ataque tão forte, com Cavani a comprovar os valores elevados e interessados de topo que tem atrás do seu concurso.

Esta Taça serviu não só para o Brasil dar uma importante demonstração de mobilização social mas também para se posicionar como candidato mais sério à disputa do Mundial que vai organizar, ajudando a minimizar a aura superior da Espanha, que tem dominado o futebol de selecções por completo nos últimos anos. Venha de lá esse Mundial 2014!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 12:08


1 Comentário

De bonus betclic a 07.07.2013 às 16:00

Subscrevo totalmente. E esta taça foi só uma pequena amostra daquilo que será o Mundial de 2014!
Ah e ver o Neymar a jogar lado a lado com o Messi no Barcelona vai ser qualquer coisa de especial :D

Comentar Post



"What they did to me... What I am... Can't be undone!"


calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031