Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Continuidade

por TM, em 20.05.13

Terminou ontem mais uma Liga Portuguesa, com o vencedor final a ser aquele que nos últimos anos mais títulos tem conquistado. O F. C. Porto acabou por bater ao "sprint" um Benfica que tinha o título nas mãos mas que, entre a competição mais importante (o campeonato) e a Liga Europa, deixou fugir o título e também o sucesso Europeu. Aquela que parecia ser uma época de glória acabará por não passar por uma boa época, com sucesso a nível europeu e interno (se se confirmar a conquista da Taça de Portugal).

Nesta altura de grande desilusão parece-me importante reflectir no essencial: Jorge Jesus fez um trabalho de grande mérito (na minha opinião) e apenas se deve lamentar que não tenha sido possível segurar a vantagem que iria permitir ao clube ser campeão. Como todos sabem, tudo ficou mal encaminhado com o empate diante do Estoril e acabaria por ter o epicentro negativo quando Kelvin pontapeou a esperança benfiquista e resolveu o clássico aos 92 minutos. Na última jornada, mesmo com alguma esperança, todos sabiam que não iria ser fácil mudar o rumo dos acontecimentos.

Gostaria apenas de reforçar aquilo que me parecem ser os méritos do nosso treinador: ninguém, no dia 1 de Setembro de 2012, diria que íamos fazer esta época, lutar pelo título desta maneira, ir à final da Liga Europa e mesmo da Taça de Portugal; valorizou e de que maneira Matic e Enzo Pérez, provavelmente os 2 melhores jogadores da época no clube; com um 11 a meu ver inferior ao do Porto (o que nos confrontos directos acaba por desequilibrar um pouco a balança para o outro lado) acabou por fazer uma época a meu ver melhor, sendo certo que a conquista do título de campeão nacional acaba por limpar uma época banal por parte dos portistas. E o ponto fulcral parece-me mesmo ser o 11, senão vejamos: o elemento eventualmente mais fraco do 11 de Vítor Pereira seria Varela. No Benfica, temos Melgarejo/André Almeida, Gaitán/Ola John muito intermitentes, Maxi a mesma coisa e uma diferença a meu ver enorme entre Cardozo e Jackson Martínez. Posso concordar que o Benfica terá mais soluções em termos de banco de suplentes, mas discordo que sejam assim tantas mais que o adversário (ver os exemplos Carlos Martins/Aimar, pouco utilizados e jogadores sem a capacidade de outrora).

Posto isto, penso que faz todo o sentido apontar à continuidade de Jorge Jesus no comando técnico do Sport Lisboa e Benfica. Aceito as críticas de quem aponta os números, que são claros: 4 anos, 1 título de campeão e dois títulos perdidos quando a equipa chegou a estar em vantagem. Mas acredito que temos razões suficientes para pensar que existem muitas vantagens em manter J.J. no comando da equipa. Cá estarei para aceitar criticas se no final da próxima época voltarmos a ver os adversários festejar e tivermos novas desilusões para chorar. Ainda assim acredito que o caminho que temos seguido é o correcto e que este trabalho dará frutos, mais tarde ou mais cedo.

Não fazendo comparações desnecessárias, relembro que este ano terminou a carreira uma lenda do futebol chamada Alex Ferguson e que foi muito criticado nos seus primeiros anos no clube. O resto? O resto a história encarregou-se de explicar quem tinha razão...

 

Saudações Benfiquistas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 17:42



"What they did to me... What I am... Can't be undone!"


calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031